Imprensa

Controle remoto tem teclado e mouse para usar em TVs e PCs a até 10 metros por Portal UOL Tecnologia

NewLink e OEX, empresas do mercado de eletrônicos e acessórios para informática - agora administradas pela NewEx - passam a contar com maior mix de produtos, presença mais marcante nos pontos de vendas, além de estratégias mercadológicas ainda mais ousadas e desafiadoras. Com a integração e a expertise das empresas, a meta é superar os obstáculos presentes em um mercado altamente competitivo e estagnado economicamente.

Em tempos de crise cada vez mais evidente, se faz necessário criar novas alternativas para conquistar maior rentabilidade e consolidação no mercado. Com a finalidade de superar os obstáculos que, invariavelmente, decorrem da desaceleração econômica, a NewLink e a OEX unificaram-se, criaram novas estratégias, produtos e iniciativas. Esta integração, analisada por cerca de quatro meses, teve como base outros pontos importantes além da questão econômica: a chance de criar um maior mix de produtos, inclusive com itens complementares que não existiam na linha original de cada marca, diversificação e otimização nas atividades, além de outras ações mais assertivas com projetos e estudos.

Atualmente com um portfólio de mais de 400 itens (entre tablets, sons automotivos, filmadoras esportivas, acessórios para tablet e celular, periféricos para computadores, notebooks e Smart TVs, caixas de som, etc.), além das parcerias com a Sony (para pilhas, mídias e powerbanks) e Case-Mate (para capas de smartphones e tablets), a NewEx é comandada por Marcelo Sztajn e Leandro Murachovsky.

Em entrevista à Revista Eletrolojas, os executivos falaram sobre a importância dessa união, que resultou na formação da NewEx. Destacaram novos insights, diretrizes e planos para os próximos anos desta operação, que será realizada a partir de São Paulo. A iniciativa atenderá o território nacional, garantindo preços ainda mais competitivos, agilidade nas entregas e melhorias nos processos de assistência técnica, tanto para revendas, quanto para consumidores finais. Marcelo trabalhou com commodities, coordenou a maior fusão de usinas no Brasil, assumiu uma empresa de petróleo e, há dois anos, trouxe toda sua capacidade profissional para a OEX. Já Leandro começou como representante comercial e, posteriormente, tornou-se diretor de sólidas empresas como Multilaser e NewLink, onde atuou durante cinco anos como diretor comercial.

Revista Eletrolojas: Conte-me como foi que surgiu o NewEx e como será feita a integração?

Marcelo: Isso aconteceu em função de uma análise de quatro meses de trabalho e pelo fato de o mercado estar passando por uma crise financeira. Visualizamos uma oportunidade de crescimento, pensando a longo prazo. A aquisição foi concluída no final do novembro do ano passado e implementada durante este ano, mais precisamente no mês de abril. A CSL, detentora da marca OEX, ao adquirir a marca NewLink abriu um escritório na China e trouxe os principais executivos da marca para trabalhar os produtos. A OEX disponibiliza toda sua linha para pronta-entrega e vamos seguir o mesmo procedimento com a NewLink, dentro de um prazo de dois ou três meses. Pretendemos colocar à disposição todo seu catálogo. Enaltecemos ainda que a OEX contará com produtos mais tecnológicos da NewLink e a NewLink irá trazer linhas mais simples da OEX.

Leandro: Além de toda tecnologia presente nos produtos da NewLink, buscamos cada vez mais trazer um excelente custo-benefício. Nós somos uma marca de oportunidades e, agora, pretendemos facilitar a aquisição dos produtos pelas revendas, principalmente para conseguirmos atender os pequenos pedidos. Pensando nisso, fortaleceremos a nossa linha dentro de três meses, realizando um atendimento de alta qualidade aliado a um trabalho eficiente de estoque. Deve-se lembrar que conseguimos atuar junto aos magazines, já que nós sabemos dimensionar como e o que comprar. Já no que se refere aos revendedores, acontece que em determinado momento há uma indisponibilidade no estoque que afeta toda uma relação comercial. Com base nessa questão, emplacamos as nossas atividades na China para evitar qualquer ruptura no estoque.

Revista Eletrolojas: A partir dessa integração quais iniciativas já podemos relatar nesse breve período de vigência?

Marcelo: Já iniciamos com o trabalho de 0800, SAC, atuações no escritório da China para efetivarmos ações e projetos junto a distribuidores, representantes de informática, magazines, corporativos e papelarias. Importante ressaltar que com essa integração já aumentamos nosso mix de produtos e também de clientes. E outro ponto importante: a integração resulta em um mix com produtos que se completam. Cada marca é focada de forma diferente. Por exemplo, a NewLink é uma linha mais agressiva e a OEX revela uma linha mais diferenciada. Para expandir alguns produtos, como acessórios para games, faz-se necessário essa parceria.

Leandro: Vamos continuar lançando produtos com preocupação de trazer custo-benefício e agregar tecnologia em nossas linhas. Hoje ainda temos alguns itens conflitantes – devemos equilibrar isso junto aos nossos representantes e aumentar nosso faturamento. Há também um projeto que, provavelmente, será lançado em outubro. Unificamos tabelas e a parte de sistemas operantes, criamos uma nova identidade e, inclusive, já temos um site da NewEx onde redirecionamos as duas marcas. Ou seja, conseguimos equilibrar vários fatores para que sejamos considerados uma única empresa.

Revista Eletrolojas: Além da longa experiência nesse mercado, quais outras atribuições e benefícios que podem ser ganhos com a criação da NewEx ao ponto de aumentar a participação no mercado?

Marcelo: Certamente a solidez conquistada, ainda mais pelo fato de integramos o Grupo Sertic. 70% de nossos clientes já conhecem o grupo ou já fizeram algum trabalho com eles. E os outros 30% já sabem como funcionam a operação. Ressalta-se que o Grupo, fundado em 1964, se consolidou no segmento papeleiro como um dos mais importantes importadores do País e hoje investe também em outros segmentos de mercado.

Leandro: A ideia é fortificar os estoques e dimensionar a qualificação dos itens, além de reestruturar a forma de vendas.

Revista Eletrolojas: Podemos afirmar que essa integração já trouxe resultados significativos?

Marcelo: Ao unirmos as duas marcas, automaticamente o faturamento cresceu 400%. Vamos coletar informações entre os representantes da OEX e da NewLink. O portfólio será ampliado, uma vez que a NewLink passará a contar com produtos que antes não tinha em sua linha e vice-versa. A OEX não tinha repetidores, som automotivo e tablets. Já a Newlink não produzia linha game premium. Vamos englobar produtos diferentes e os representantes terão mais opções para venda.

Revista Eletrolojas: Quantos e quais produtos serão lançados neste ano para movimentar o mercado?

Marcelo: A OEX conta com mais de 15 produtos. Introduziremos no varejo uma linha de game renovada; novas caixas Bluetooth; além de monopod e suportes para celulares nos carros. No entanto, um dos produtos que merece mais destaque é o speaker sem fio no formato de garrafa. Trata-se de um lançamento, Speaker Bottle SK403, com potência de 6 Watts, tecnologia Bluetooth e prática alça de metal que facilita o transporte para todos os lugares.

Leandro: Estamos focando em trazer materiais mais acessíveis para home centers. Lançaremos headphones, que são produtos de alta tecnologia, e continuaremos com a nossa linha esportiva, onde há diversos modelos de filmadoras. Temos produtos na linha de games, que é a que mais cresce no setor de periféricos de informática. Vale destacar também os mouses e a linha de cabos. Em breve teremos em nosso portfólio uma filmadora 4k da marca OEX.

Revista Eletrolojas: Qual é a expectativa em termos de participação de mercado para este ano e quanto às novas inserções?

Leandro: Pretendemos ter um crescimento entre 20% e 25%. O objetivo é fechar o mês de abril do ano que vem com um incremento dentro desse patamar. É válido enaltecer que a perspectiva de aumento nas vendas se infere o final do ano, quando o varejo como todo se mostra mais propício para o consumo. Pretendemos criar um B2B para os revendedores para que nossas representações possam entrar com login e senha em um site. Dessa forma, iniciaremos um nicho ainda não explorado por nós, o e-commerce. Isso vai facilitar a compra e o acompanhamento do pedido, mas ainda é uma ideia embrionária.

Leia a matéria original